Com empurrão da Netflix e do YouTube, smart TVs ganham a preferência do consumidor

Ter?a-feira, 18 de Julho de 2017 em Geral

Fonte: Gazeta do Povo

Se quando chegaram ao mercado, sem função bem definida e com preços exorbitantes, as smart TVs eram vistas com ceticismo, hoje elas estão em um período de consolidação. Os televisores inteligentes já respondem por dois terços dos aparelhos comercializados e se tornaram o principal filão de mercado para os fabricantes de tevês. A popularização de serviços de vídeo e streaming como Netflix e YouTube, os preços mais acessíveis e o fato de o consumidor estar acostumado a tecnologias mais modernas estão entre os fatores apontados para crescimento das vendas.

Nos primeiro semestre de 2017, foram vendidos 5,22 milhões de televisores no Brasil, um aumento de 30,3% em relação ao mesmo período do ano anterior, segundo dados da Associação Nacional de Fabricantes de Produtos Eletroeletrônicos (Eletros). Do total de aparelhos comercializados, 68,2% eram smart TVs, o percentual mais alto já alcançado pela modalidade.

Em 2016, as smart TVs ultrapassaram pela primeira vez os aparelhos tradicionais e se tornaram o modelo mais vendidos em termos de unidade. Agora, nos seis primeiros meses deste ano, passaram a predominar no mercado, com perspectiva de terminar o ano respondendo por mais de dois terços do total de televisores vendidos em 2017.

“O preço é compatível, temos produtos em volume suficiente e o consumidor está vendo na casa dos vizinhos a novidade. Então quase toda a família quer o seu televisor com essa novidade”, afirma Lourival Kiçula, presidente da Eletros, ao elencar os motivos que levaram à popularização das smart TVs.

O gerente de produto de TV da LG Brasil, Igor Krauniski, acrescenta outro motivo: a popularização da Netflix e do YouTube. “A Netlfix e o Youtube são grandes difusores das smart tvs. Vemos que há concentração de acesso a esses aplicativos entre os usuários de smart TVs. A Netflix, por exemplo, é acessada várias vezes ao dia e por longos períodos. Já o YouTube é um canal fácil e grátis.”

As smart TVs, ou seja, televisores com acesso à internet e com sistema operacional próprio para instalação e execução de aplicativos chegaram ao Brasil a partir de 2010 com o lançamento da Google TV.  Mas, de imediato, a novidade não agradou ao consumidor. O preço era elevado, as smart TVs vinham com muitos aplicativos e funções pouco úteis e a própria banda larga fixa era menos difundida.

Uma prova disso era que as pessoas compravam smart TV e não conectavam o produto à internet, seja por não saber utilizar o aparelho, por não ter internet ou por pura falta de interesse.

O cenário mudou nos últimos dois anos com mais domicílios tendo acesso à internet fixa de alta velocidade e com serviços de vídeo e streaming virando febre entre os consumidores. As pessoas passaram a ver as smart tvs como um meio para assistir a Netflix e o YouTube e passaram a procurar pelos produtos nas lojas.

Os fabricantes perceberam esse movimento do consumidor e passaram a focar nos televisores inteligentes. Eles passaram a produzir as smart TVs em larga escala, o que fez com que os custos diminuíssem. Desenvolveram plataformas mais velozes, multitarefas e simples de usar. E tiram boa parte dos aplicativos e recursos inúteis.

Agora, para quem for comprar uma tevê nova, fica cada vez mais difícil não comprar uma smart TV. Os televisores inteligentes são maioria nas prateleiras, têm a vantagem do acesso à internet e estão mais acessíveis, com preços a partir de R$ 999,99. Por isso, é de se esperar que a cada trimestre a porcentagem de participação das smart nas vendas de televisores só aumente.